sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Armadura


 

 

Frágil espelho no decorrer dos anos

Onde sempre existiram cartas

Sendo enviada pelos visionários

Descartando as dívidas das almas!

 

Não temas o pseudo-tribunal dos outros

Elevando numa força de exercito

Nas portas de sua consciência – teor invicto –

Até as horas que lavarão seus pratos!

 

Ignores tal sugestão, uma proposta

Não descartada na ascensão do ego

Na mira de um tiro nas costas,

Lançando suas evidencias no fogo!

 

Olhe nas arvores: as folhas secas,

Que vão em direção ao chão

Assim são os discursos fora de suas veias

Que foram deletadas do forte coração!

 

Ainda bem que existem cavernas

Onde a própria fuga é luta do ser

O rico motivo de não esmorecer

Como no intrigante desejo de quem amas!

 

15 /09/ 2011

domingo, 17 de fevereiro de 2013

My Facebook

Boa tarde pessoal, quem quizer me adicionar pelo face, e ficar acompanhando minhas atividades poéticas aqui está o endereço : http://www.facebook.com/home.php?clk_loc=5 ok? Um abração e até mais!

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Só por um instante...


Boa tarde pra todos!
 
Estou retomando minhas atividades literárias, poéticas!
No momento, estou começando meu romance com uma história bem interessante... E sim, para não esquecer: a partir de março, estarei aberto a convites a eventos poéticos e disposto a declamar! Outra coisa, como estou com liderando a banda de rock September Grass, estaremos abertos a convites a partir do mês de Abril!
 
A cada semana estarei postando um poema, e sempre as sextas, uma música que gosto para dividirem com todos! Em breve mais notícias!
E nada como começar com um poema!!!
 
Fiquem na paz! Abração!!!
 
Antes de qualquer imprudência...
 
Só um sopro insano, e corroe todo caráter.
Inflama como quem atiça mansamente os cachorros
Ou só são palavras regidas de rancor?
 
Abandone a expectativa motivada pelo ócio
Nem ao menos por seus segredos, vicie-se.
Pulsa a culpa – que provoca – na capa de jogos morais.
 
Tapas de vidro são visíveis e hipocondríacos
No mesmo revelar – na mente – de instintos cruéis
Que guerreia contra a Natureza corrompida na origem!
 
Não sendo a priori, aqueles vestígios compulsivos!
No entanto, seja vencido por aquele que venceu,
Removendo a mortalha, do epitáfio para o jugo suave!
 
15 / 02 / 2012