sexta-feira, 5 de julho de 2013

Meu oceano



– Estou à margem... Da loucura, do vinho?
Desejo habitar entre os desconhecidos
Para que, nenhum instante, ser encontrado!

Sinto nestes dias insígnias de pavor
A putrefação dos séculos...
Pelos ventos encantadores de amor
Regendo a lei musical de meus poetas amigos
E um sonho antigo dos harmônicos.

O calor vosso consola meu oceano
Entregue e descoberto nas névoas noturnas
Nos bosques, corre em aventuras
A teu amor, oh moça, encontrei esse ano...
  
26 / 07 / 2006

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Pedra, Atmosfera e Novidade!


Depois da pintura borrada
Muros de concreto, isolam sua área, secreto!
Coração pulsa, travada, não derramada, 
Como Pedra rígida que mata o feto!

Mas naquela escultura, com alma, e viva
Aguarda, com vigor, a quebra dos seus muros.
O amor encarnado mostra suas mãos e seus furos,
Sua atmosfera perfumada apenas diz: aviva!

Ao seu desfecho, rachaduras dão evasão...
Valores distorcidos, antes! Vem Novidade!
Pulsa contra as pedras! Um adeus a ilusão
Notícia boa chega cheio de graça e verdade!

03 / 07 / 2013