sexta-feira, 23 de maio de 2014

Vestígios de confissões...


                    Soando em alguns momentos, em que, voltar atrás parece inútil e sem sentido! Parece ser velho aquele discurso em seguir em frente, pois, por enquanto, não parece ter futuro quando se perdeu no meio do caminho, e nos devoramos com o restante que alimentamos em nossas lamentações, remorsos em forma de indiferença.
               
                    Em um século exigente, onde pouco ou não mais se espera para reconstruir ou recordar, é preciso um pouco a mais de discernimento, das coisas certas, erradas e equivocadas, tentamos nos esconder, e no momento, as vezes revelamos o que há de mais cruel, ignorantes discretos.
                   
                    Desfazendo aos poucos do que deveríamos ser, nos tornado o que pensamos ser, enganando o quem bem mais conhece o nosso interior, sobre o que passamos a ser. Mas quando essa névoa passar, o que é evidente se torna a esfera daquilo que mostramos ser de verdade!

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Palavras modernas e reais

                        ... para os duvidosos!

Uns vivem a importância
Divididos entre ouvir falar
E os que conhecem os seus segredos!

Estais aqui. Não tão bem para alguns.
Nunca será o suficiente.

O Único bate a porta e espera.
Mas o que se espera é que nunca bata
Ou que seja o alvoroço, pra terminar no remorso.

Sabem com quem pode
Mas se convencem em ser multidão.
Olhe para cima sem perder os pés do chão.
Até, sem desconfiar, mudam a paternidade
Se és espírito vivo, ficaram invisíveis.

Não é que estejam, talvez,
Roubando teu nome.
É que Esquecer se tornou
A rotina de suas ocupações vazias!


29 / 01 / 2012